Em Cangas foram realizados testes para identificação de Leishmaniose e Calazar

10 de dezembro de 2017 - Jorge Alex Neri

Aconteceu em Cangas, distrito de Santa Rosa do Tocantins testes para identificação Leishmaniose visceral ou Calazar.

Durante todo o dia os agentes de saúde examinaram animais para identificar possíveis infecções. Foram constatados 3 casos em cachorros, os animais foram sacrificados com autorização dos seus proprietários. Esta atitude foi necessária para evitar a contaminação de outros animais.

O prefeito Ailton Araújo esteve presente, acompanhado do vice-Prefeito Leví Teixeira e do chefe de Gabinete Marcelo Guimarães.

A Leishmaniose visceral ou Calazar é uma doença causada pelo protozoário da família Trypanosomatidae e pertencente ao gênero Leishmania. A transmissão da doença é através da picada de insetos hematófagos do gênero Lutzomya e Phlebotomus.

É uma doença própria de zonas rurais ocorrendo no Brasil casos em todos os estados costeiros, do Pará ao Paraná e em estados centrais como Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul. Pode ser adquirida em vilas ou em subúrbios de grandes cidades onde as condições ambientais são apropriadas para o desenvolvimento do vetor (mosquito). Possui como reservatório principalmente o cão e a raposa. Apresentam parasitismo cutâneo intenso e são excelente fontes de infecção para flebotomíneos, mantendo o ciclo da doença no ambiente domiciliar e silvestre.

Este tipo de leishmaniose é considerada a mais grave. O parasita migra para os órgãos viscerais do hospedeiro atingindo o fígado, baço e medula óssea, causando sintomas graves, que podem até mesmo levar à morte. O indivíduo pode apresentar febre, hepatoesplenomegalia, anemia, leucopenia, problemas renais, alterações pulmonares, tosse seca, descamação da pele e queda dos cabelos. Além disto, o fígado e baço podem ter seu tamanho aumentado, já que a doença acomete estes órgãos. O período de incubação da doença é muito variável: entre dez dias a 24 meses.

Fotos: Picuinha